quarta-feira, 5 de março de 2014

A VERDADE DE DOIS


Ela e eu no crepúsculo da noite
Onde o mistério sustenta uma fantasia
Da máscara para a verdade

Um simples conhecer
Uma pessoa para entender

Na nudez descobrimos as nossas minas
Fonte de prazer e riqueza
Extraímos o ouro um do outro
Sem defraudar 
Apenas explorar aquilo que o outro queria entregar

O descanso de um abraço
Torna jovial o romantismo e a amizade
De um beijo uma fogueira que não se apaga mesmo quando amanhece

Há uma casa que guarda uma intimidade
Há uma nudez que guarda uma verdade

A verdade de dois
Que no comungar se percebe que muito há

Do gozar até o sonhar.

Pedro Henrique Curvelo

Março de 2014

Um comentário: